Desabilitar carregamento

2013: mais um ano dos grãos

Notícias 7 de janeiro de 2013

Expectativa é de que o milho e a soja continuem segurando a safra mineira nos próximos meses

Agricultor em Cordisburgo, na Região Central de Minas Gerais, Anderson Assunção, de 35 anos, colhe em média 2 mil quilos de milho por semana. No fim de 2012, ele comprou um trator, e daqui a poucas semanas vai investir em irrigação. Sua meta para 2013 é aumentar a produção em 50%. O milho, segundo previsão da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), deve liderar o ranking mineiro de grãos este ano, com participação de 61,6% da colheita e volume estimado em 7,4 milhões de toneladas.
Os preços do grão no ano passado deixaram os produtores eufóricos, pois a seca nos Estados Unidos queimou cerca de 60% da produção de lá e levou boa parte da de cá para a terra do Tio Sam, aumentando o valor da saca no Brasil. Em Minas, o Triângulo e o Noroeste são as regiões que mais produzem milho. E a tendência é de que o resultado se repita este ano. Na primeira safra de 2013, Uberaba deve liderar o ranking entre os municípios. Na segunda colocação, Unaí.

“A produtividade de milho é de 5,96 mil quilos por hectare. No Triângulo e na Região Noroeste, porém, conseguem produtividade ainda maior em razão do uso de tecnologias, como adubação, investimento em técnicas de produção, melhoramento genético das sementes”, explica Márcia Aparecida de Paiva Silva, assessora técnica da Superintendência de Política e Economia Agrícola da Seapa. Ela acrescenta que a soja também terá boa produção este ano. Pelas contas da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), serão 3,3 milhões de toneladas.
O volume, se confirmado, será 8,6% maior do que o de 2012. “O milho permanece como o principal grão produzido no estado, mas a soja ganha espaço, até mesmo pelos preços atrativos. No Triângulo, por exemplo, a saca de 60 quilos varia de R$ 59 a R$ 60. No Noroeste, de R$ 71 a R$ 72”, informou Márcia. Na primeira safra de 2013, Unaí deve liderar o ranking de municípios do estado com maior produção desse tipo de grão. Em segundo, Uberaba.
De forma geral, a produção de todos os tipos de grãos em 2013 deve somar 12,2 milhões de toneladas, o mesmo volume apurado em 2012. No confronto com 2011, o aumento é de 14,2%. O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Roberto Simões, considera o total de toneladas previstas para este ano como positivo e diz que parte do segredo da boa produção no estado é a diversificação de culturas.
DE TUDO UM POUCO “Minas Gerais é um estado privilegiado. Como o agronegócio é diversificado, quando um produto tem problema outros fazem a compensação. Onde a monocultura predomina, qualquer variação afeta duramente a renda dos produtores e as finanças do estado”, reforçou o presidente da Faemg.
O produtor Rodrigo Alves Oliveira, de 30, sabe bem da importância de ter uma plantação diversificada. Em sua propriedade, em São Vicente de Minas, no Sul do estado, ele colhe vagem, pepino, chuchu e maracujá. O carro-chefe dele, explica, é a vagem branca, que dá quatro safras por ano. Em média, ele produz 10 mil caixas, de 13 quilos cada uma, por ano. Cada uma é vendida por R$ 15 no entreposto da Ceasa em Contagem, na Grande BH.

“Em 2012, produzi a vagem em entre três e quatro hectares. Em 2013, quero aumentar para seis hectares, pois desejo dobrar a produção”, deseja. Vicente Gomes, de 53 e que é dono de uma propriedade rural em Ribeirão das Neves, também não se rende a uma só cultura. “Planto quiabo, mostarda, almeirão e outras folhas. Vendo direto para os sacolões das regiões de Venda Nova e Pampulha. Daí, consigo preço melhor do que na Ceasa: cerca de 30% a mais”, conta o agricultor enquanto usa a “rabuda”, como ele se refere à enxada, para limpar o terreno onde plantou jiló.

Fonte: Estado de Minas – BELO HORIZONTE – (MG) – 07/01/2013