Desabilitar carregamento

Bons ventos para os grãos no Brasil

Notícias 1 de abril de 2013

Colheita nacional de soja, milho, trigo, arroz e feijão pode chegar a 300 milhões de toneladas em 10 anos. Alta de até 69,1% será sustentada pela produtividade das fazendas

A colheita brasileira de grãos não deve parar de crescer gradativamente nos próximos anos. Isso, com a maior eficiência das técnicas e do trabalho do homem do campo. A expectativa é de que a produção das culturas de soja, milho, trigo, arroz e feijão passe de 177,8 milhões de toneladas em 2012/13 para 222,7 milhões de toneladas em 2022/23, com potencial de chegar a 300 milhões de toneladas. A produção de carne (bovina, suína e de aves) deve passar dos atuais 25,1 milhões de toneladas para 35,3 milhões de toneladas, em 2023. As estimativas realizadas até a próxima década são de que a área total plantada com lavouras deverá passar dos atuais 64 milhões de hectares para 70,6 milhões de hectares. Os números fazem parte do estudo Brasil – projeções do agronegócio 2012/13 a 2022/23, elaborado pela Assessoria de Gestão Estratégica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (AGE/Mapa) e pela Embrapa.

Segundo José Garcia Gasques, assessor de Planejamento Estratégico da AGE, o crescimento da produção agropecuária no Brasil deve continuar acontecendo com base na produtividade. As projeções indicam que entre 2013 e 2023 a produção das cinco lavouras de grãos deve crescer entre 25,3% e 69,1%, enquanto a expansão de área prevista será entre 10% e 30%. Isso representa um exemplo “típico” de crescimento baseado na produtividade, que será de 36% para a soja, milho, trigo, arroz e feijão. “Os resultados revelam maior acréscimo da produção agrícola que os acréscimos de área”, aponta Gasques. Ele acrescenta que haverá dupla pressão sobre o aumento da produção nacional, devido ao incremento do mercado interno e das exportações brasileiras. Já as carnes são pressionadas principalmente pelo consumo doméstico.

O estudo mostra ainda que as participações do Brasil no comércio mundial de soja, carne bovina e carne de aves deverão continuar expressivas e com tendência a elevação. A soja deverá ter em 2022/23 uma presença de 44,2% nas vendas externas mundiais, a carne bovina, 23,3% e a carne de aves, 52,9%. Conforme o documento, as projeções regionais apontam que o estado de Mato Grosso permanecerá liderando a expansão da produção de milho no país, com aumentos previstos em 48%. A região denominada Matopiba, por estar situada em municípios dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, também se destaca no cenário agrícola nacional. As estatísticas indicam para essa região produção entre 18 e 24 milhões de toneladas em 2023, e expansão de área plantada de grãos entre 7,3 e 10,5 milhões de hectares na próxima década.

As áreas que vêm sendo ocupadas nesses estados têm características essenciais para a agricultura moderna. São planas e extensas, solos produtivos, disponibilidade de água, clima propício com dias longos e com elevada intensidade de sol. “A limitação maior, no entanto, são as precárias condições logísticas, especialmente, transporte terrestre, portuário, de comunicação e, em algumas áreas, ausência de serviços financeiros”, conclui o assessor da AGE.

 

Fonte: Estado de Minas – BELO HORIZONTE – (MG) – 01/04/2013