Desabilitar carregamento

Fórum do Milho debate preços globais

Notícias 10 de março de 2016

Evento acontece durante a Expodireto Cotrijal. A feira terá início no dia 7 de março, em Não-Me-Toque

As novidades, políticas de incentivo e as tendência dos preços futuros do milho vão ganhar destaque durante os debates do 8º Fórum Nacional do Milho. Aberto ao público, o evento está confirmado para às 14h da segunda-feira, 7 de março, abrindo os ciclos de debates da Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. A coordenação das atividades será realizada pela equipe da Klein & Associados.

Entre os expositores técnicos já confirmados, está o ex-ministro da agricultura Alysson Paolinelli, agrônomo que em 2006 foi agraciado com o World Food Prize e atual presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho). Quem também estará presente é Dirceu Gassen, engenheiro agrônomo e consultor de mercado das culturas de soja, arroz, milho e trigo.

Gassen cita pontos que irá comentar durante o evento. “Estamos cada vez mais plantando soja e, com isso, fazendo menos rotação de cultura. Nos últimos dez anos a área de milho reduziu substancialmente por conta dos maiores preços da soja, mas, quem semeou milho não se arrependeu”, relata.

Conforme o especialista, enquanto a soja, após a colheita rende duas toneladas de palha, o milho gera cinco vezes mais. “Entre o final de 2015 e começo de 2016 tivemos 872 milímetros de chuva em 70 dias, tomando por base uma análise feita pela Embrapa Trigo em Passo Fundo. Bastou dar 15 dias de estiagem para gerar pavor nos produtores. Nós não temos uma armazenagem de água ideal, e o milho, com sua raiz diferenciada e maior volume de palha, pode melhorar o solo”, explica Gassen.

O engenheiro agrônomo cita que é importante uma maior adoção do plantio de milho por conta da necessidade de equilíbrio em outras cadeias de produção, como a de aves e suínos. “O plantio de milho ajuda a própria cadeia da soja, com a rotação de cultura. Além disso, o milho gera impostos e uma estabilidade nas cadeias de aves e suínos, redundando consequências econômicas e sociais positivas”, cita.

Outro painelista confirmado é o diretor da Cogo Consultoria de Agronegócios, Carlos Cogo. De acordo com ele, as discussões previstas para esta edição são extremamente relevantes, especialmente, pelo cenário de crise que o Brasil vive. Cogo também adianta que as previsões climáticas para 2016 devem afetar os preços globais do grão.

Conservar Para Produzir Melhor
O secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação do Rio Grande do Sul, Ernani Polo, também está confirmado para integrar os debates. Ele deve falar sobre o programa Conservar Para Produzir Melhor. A ação envolve uma série de entidades e instituições e tem o intuito de desenvolver uma cultura permanente de conservação do solo e da água, visando a produção com sustentabilidade. “Um dos nossos objetivos é viabilizar uma política de incentivo para o financiamento da cultura do milho, melhorando ainda mais a qualidade do solo e a produtividade”, afirma Polo.

Revista do Fórum do Milho
Após o Fórum será editada uma revista, trazendo as informações debatidas que serão encaminhadas na versão impressa aos participantes do evento e disponibilizadas também através do site.

Disponível em: http://www.diariodamanha.com/noticias/ver/17942/F%C3%B3rum+do+Milho+debate+pre%C3%A7os+globais