Desabilitar carregamento

Exportações de produtos agropecuários recuam 36%

Notícias 15 de novembro de 2012

Embarques de café caíram 32%.

MICHELLE VALVERDE.
As exportações do agronegócio mineiro entre janeiro e outubro de 2012 acumularam queda de 36,36% no faturamento que foi de US$ 5 bilhões, frente aos US$ 7,8 bilhões movimentados em igual período do ano anterior. O café, principal item da pauta exportadora do agronegócio, encerrou o período com redução de 32,89% na receita.
Em outubro, os resultados foram mais favoráveis quando comparados com setembro. Na comparação mensal, as exportações do agronegócio renderam a Minas Gerais US$ 514 milhões, alta de 11,4%.

Segundo os dados da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), ao longo dos primeiros 10 meses de 2012 foram exportadas pelo Estado 2,7 milhões de toneladas de produtos do agronegócio, o que representou queda de 48,3% frente ao volume de 5,3 milhões de toneladas embarcadas em igual período do ano anterior.
Para o superintendente de Política e Economia Agrícola da Seapa, João Ricardo Albanez, os resultados das exportações mineiras estão aquém do projetado. “A crise observada na Europa e nos Estados Unidos está contribuindo para o fraco desempenho das exportações do agronegócio mineiro. Mas o que percebemos é que, desde junho, os embarques vêm crescendo mês a mês, o que é fundamental para reduzir parte das perdas acumuladas no primeiro semestre”, disse.
Os embarques de café também foram menores no acumulado do ano. O levantamento mostra que o volume exportado foi de 757 mil toneladas, queda de 22,11%. Na comparação de outubro com setembro foi registrada alta de 33,4%, com 100,6 mil toneladas embarcadas. O preço pago pela tonelada do grão recuou 13,83% nos primeiros 10 meses. A cotação média foi de US$ 4,077 mil.
Crise – De acordo com Albanez, a queda nos resultados das exportações de café se deve, especialmente, à crise financeira da Europa e dos Estados Unidos, principais compradores do produto mineiro, que estão demandando menor volume da bebida.
“Os compradores estão retraídos e demandando volume suficiente apenas para o consumo imediato, sem a formação de estoque. Como a safra brasileira foi colhida agora, os produtores precisam disponibilizar maior volume no mercado, o que também impacta de forma negativa na formação dos preços”, disse.
O complexo soja encerrou os 10 primeiros meses de 2012 com resultados negativos. As exportações do grupo recuaram 65,8%, com faturamento de US$ 189,6 milhões. Ao todo foram exportados 275,3 mil toneladas, volume 70,58% inferior às 936 mil toneladas enviadas ao mercado externo ao longo dos últimos 10 meses.
No segmento, a maior queda foi observada nos envios de soja em grão, que recuaram 99,9% no faturamento, US$ 243 mil, com volume destinado ao exterior de apenas 551 toneladas, queda de 99,9%. O preço médio praticado recuou 15,2%, com a tonelada negociada a US$ 442,1.
As exportações de farelo de soja renderam US$ 114 milhões, provocando queda de 31,62%. O volume de 210,9 mil toneladas ficou 28,08% menor. Redução também foi observada nas negociações do óleo de soja, que no período recuaram 19,38% no faturamento e 15,81% no volume. A receita gerada com a negociação ficou em US$ 75,3 milhões e o volume de 63,8 mil toneladas.
“Os preços praticados no mercado interno estão mais favoráveis, o que faz com que os produtores destinem grande volume da soja para ser processada nas indústrias mineiras e deixem de comercializar com o exterior”, disse Albanez.
No grupo das carnes, destaque positivo para os embarques de carnes suínas que em volume ficaram 70,60% maiores. No acumulado do ano, o setor acumula alta de 111,43% no faturamento, que foi de US$ 92,8 milhões.
Os embarques de carnes bovinas somaram US$ 28,7 milhões, alta de 9,19%. O volume embarcado atingiu 60 mil toneladas, incremento de 16,38%. A tonelada do produto foi negociada a US$ 4,6 mil, queda de 6,7%.
Nas carnes de aves o recuo no faturamento foi de 2,54%, com valor de US$ 256,4 milhões. O volume ficou praticamente estável, com variação positiva de apenas 0,98% e 151,6 mil toneladas enviadas ao exterior.
A oferta restrita de milho no mercado mundial tem impulsionado as exportações mineiras. Entre janeiro e outubro deste ano, o faturamento com a venda do cereal ampliou 19,6%, alcançando US$ 80,7 milhões. O crescimento em volume foi de 7,82% com 237,2 mil toneladas exportadas.
Os embarques de álcool também tiveram resultados positivos. Segundo os dados da Seapa, a receita ficou 33,17% maior, somando US$ 55 milhões. O volume destinado ao mercado externo foi de 56,9 mil toneladas, incremento de 13,89%.

 

Fonte: Diário do Comércio – BELO HORIZONTE – (MG) – 15/11/2012